Aula 08.2 - Domínios de Deformação

Atualizado: 19 de jan.

O estado limite último de ruptura ou de deformação plástica excessiva é caracterizado convencionalmente na situação de cálculo pelas deformações específicas do concreto (εcd) e da armadura tracionada (εsd).

Assim, em face do estabelecido nas hipóteses básicas de cálculo, poderemos distinguir seis regiões especiais de deformações denominadas de domínios de deformação, conforme mostra a figura.

Para a determinação da resistência de cálculo de uma dada seção transversal, é necessário verificar em qual dos domínios, definidos na figura acima, está situado o diagrama de deformações.

A posição da linha neutra[1] será definida pela sua distância |x| à fibra na extremidade mais comprimida. Esta posição também poderá ser fixada de forma adimensional pela relação:


A análise dos domínios de deformação permite as seguintes observações:


DOMÍNIO 1

Neste domínio, o estado limite último é caracterizado pela deformação εsd=10‰. A linha neutra está fora da seção transversal, a qual está inteiramente tracionada. Portanto, só o aço estará resistindo. Os casos de solicitação correspondentes a esse domínio são: tração axial e tração excêntrica com pequena excentricidade.


DOMÍNIO 2

Neste domínio, o estado limite último é caracterizado pela deformação εsd=10‰. A linha neutra corta a seção transversal, havendo na mesma, zonas comprimida e tracionada, também denominadas de banzos comprimido e tracionado, respectivamente. Os casos de solicitação correspondentes a esse domínio são: tração ou compressão excêntricas com grande excentricidade e flexão pura.

Como pode ser observado na figura dos domínios de deformação, o domínio |2| pode ser subdividido em dois outros, denominados |2a| e |2b|. A separação entre os dois é dada pelas condições εcd=2‰ e εsd=10‰. Portanto:

Esta subdivisão é considerada com a finalidade de ser determinado o valor limite de profundidade da linha neutra, a partir do qual as armaduras de compressão podem ser realmente eficientes. Deste modo, somente no domínio |2b| deverão ser consideradas as resistências de eventuais armaduras de compressão. No domínio |2a| elas deverão ser desprezadas no estabelecimento da resistência da seção transversal em face de suas pequenas deformações últimas.

Como poderá ser observado na figura dos domínios de deformação, a separação entre os domínios |2| e |3| é dada pelas condições εcd=3,5‰ e εsd=10‰. Portanto:

DOMÍNIO 3

Neste domínio, o estado limite último é caracterizado pela deformação εcd=3,5‰. A linha neutra corta a seção transversal, havendo, pois, banzos comprimido e tracionado.

Como, na situação última, a deformação da armadura tracionada é pelo menos igual à deformação εyd